O Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) reforçou o policiamento preventivo em toda a malha viária estadual durante a Páscoa e em comparação com o mesmo feriado do ano passado, houve redução de 24,69% de acidentes e de 25,68% no número de feriados. Por outro lado os óbitos nas estradas aumentaram (de 6 subiu para 11).

O balanço estadual do BPRv dos quatro dias de feriado foi de 61 acidentes, 55 pessoas feridas e 11 óbitos. Também foram registrados quatro atropelamentos e quatro prisões por embriaguez ao volante. As fiscalizações das equipes policiais nos Postos Rodoviários e em pontos estratégicos resultaram em 1.551 autuações, 5.038 imagens por radar (flagrante de excesso de velocidade) e 1.198 testes etilométricos.

Na sexta-feira (19/04) três acidentes em locais distintos resultaram em oito mortes. A primeira situação, por volta de 3h30, foi uma colisão entre dois veículos na PR 323, entre Umuarama e Perobal, que deixou seis vítimas em óbito. Depois, uma colisão frontal entre dois carros na PR 323 na cidade de Paiçandu deixou uma pessoa morta e na PR 437 em Alvorada do Sul, um motociclista caiu e acabou em óbito no local.

Em comparação com a Páscoa de 2018, os acidentes tiveram redução de 24,69% (de 81 para 61), os feridos também foram 25,68% menores (de 74 para 55) e o número de autuações apresentou leve queda de 2,94%(1.598 para 1.551).

Os trabalhos dos policiais militares rodoviários iniciou-se às 14 horas de quinta-feira (19/04) e seguiu até às 23h59 de domingo (21/04), com atenção especial para os horários de pico no tráfego nas principais rodovias que cortam o estado e interligam a Capital, Região Metropolitana, Interior e Litoral do estado.

Na região litorânea, o excesso de velocidade foi o destaque das fiscalizações. Na Páscoa de 2018 foram 555 imagens de radar geradas contra 684 imagens neste feriado, um aumento de 23,24%. Neste ano, o feriado teve dois acidentes 113 autuações e 110 testes etilométricos. No mesmo feriado de 2018 foram cinco acidentes, oito feridos, 39 autuações e 12 testes etilométricos.

Fonte PMPR